Jovem maranhense vira inspiração ao largar tudo para cuidar de crianças carentes pelo mundo

Antonio Paulo deixou a oportunidade de ser gerente para se dedicar a ajudar crianças pobres na África, em uma cracolândia de SP, e também...

- 30/12/2020 10h14 | atualizado em 30 de dezembro de 2020 as 10h14

De Buriti Bravo, o jovem Antonio Paulo tem sido fonte de inspiração pela caridade e escolhas que fez em sua vida, mesmo tendo apenas 22 anos. Filho de uma família humilde, o jovem teve a oportunidade de mudar de vida, mas decidiu largar tudo e se dedicar a cuidar de crianças carentes no Brasil e até na África.

A história de Antonio começa com o sonho de ter uma casa e um carro. Aos 12 anos, começou a trabalhar e já dava aula de reforço no fundo do quintal.

“Queria muito realizar meu sonho, daí fui pra São Paulo estudar e trabalhar. Minha família é humilde, não tinha como pagar uma faculdade pra mim. Chegando em São Paulo eu consegui uma bolsa. Depois de um mês eu consegui um emprego em uma grande empresa”, lembra.

Antonio começou como líder de vendas e logo chegou a subgerente. Foi então que conheceu um projeto social na Cracolândia, no Centro de São Paulo, onde começou a mudar seus planos de vida.

“Eu não sabia o que era uma Cracolândia. Quando cheguei lá, me assustei com aquela situação e a primeira cena que vi foi uma criança se prostituindo. Saí horrorizado e dizendo que nunca mais pisaria ali. Mas, na semana seguinte, eu comecei a sonhar com aquela situação e comecei a ir para o projeto nas minhas folgas”, conta.

Aos poucos, as idas à cracolândia foram ficando frequentes e surgiu uma promoção para ser gerente, mas Antonio decidiu não aceitar.

“Não aguentava ver aquelas crianças sofrendo e eu podendo fazer um pouquinho mais e não fazer. Larguei o emprego, a faculdade todos os meus sonhos e fui cuidar de crianças na Cracolândia. Toda vez que tinha confronto, a gente pegava as crianças que estava na quadra, dentro da Cracolândia, e levava pro projeto. E uma vez uma bomba me atingiu, caí no meio do confronto. Não conseguia enxergar nada por causa do gás lacrimogêneo. Inclusive, ainda tenho uma cicatriz no corpo”

“Passei mais de dois anos, cheguei a dormir no chão, comi salsicha com arroz por um ano, e depois fui convidado a ir pra um projeto no Rio de Janeiro, em uma das favelas mais perigosas. Aceitei o convite pois lá às pessoas não queria ajudar porque era muito perigoso”, relata Antonio.

Foram seis meses trabalhando com crianças filhas de traficantes, depois mais dois meses na Amazônia para trabalhar com as crianças ribeirinhas. Por fim, Antonio decidiu ir para a África do Sul, onde também realizou trabalhos sociais.

O nome do projeto se chama Casa dos Sonhos. No último Natal, mais de 320 cestas básicas foram entregues para famílias carentes (veja no vídeo acima). Além disso, há aulas de reforço escolar gratuitas realizadas na casa de seu avô, que faleceu recentemente.

“Meu sonho é um dia oferecer aulas de música, balé e futebol. Mas tenho ajudado como posso. Deus me deu um novo sonho, que é ajudar as famílias carentes”, diz o jovem maranhense.

Deixe uma resposta